terça-feira, 7 de outubro de 2008

Amália Rodrigues


Passaram ontem 9 anos sobre a Morte de Amália Rodrigues.

Em jeito de homenagem, deixo-vos aqui cinco músicas daquele que eu considero um dos melhores álbuns dela e, por ventura, o que é menos conhecido.

O álbum chama-se Cantigas de Amigos e apresenta-nos, acompanhados à Viola e à Guitarra, Natália Correia, Amália Rodrigues e José Carlos Ary dos Santos (e a presença implícita de Maluda que desenhou a capa do disco).
O que resulta desta reunião é absolutamente genial. A extraordinária capacidade vocal de Amália, a megalomania de Natália Correia e a genialidade de Ary dos Santos resultam numa harmonia perfeita... são minutos de puro deleite e prazer... cada palavra dita faz-nos vibrar que nem cordas de guitarra.
Infelizmente este disco não conhece edição em CD, o que me parece incompreensível e, acima de tudo, um crime.

Deixo-vos aqui o texto que Ary dos Santos escreveu a acompanhar a contra-capa do Vinil deste disco Cantigas de Amigos.

«Era uma vez um livro muito bonito, que cheirava muito bem. Umas vezes a flores, outras vezes a urtigas. Mas a urtigas sadias. Tinha sido feito pela Natália Correia que o desenterrara de alfarrábios muito, muito velhos, com mãos de chama e de poeta. Escusado será, pois, dizer que o livro era de poemas. Eis senão quando, uma bela noite em casa da Amália, os tais poemas sairam das páginas e ganharam voz. Pareciam ervas dançando no meio da sala. O Fontes Rocha foi-os apanhando um a um e fez com eles um feixe de música. O Carlos, o Pedro e o Joel, ajudavam muito. E a Amália deu-lhes um nome como só ela sabe: Cantigas de Amigos. O resto? O resto foi apenas convivio e entendimento perfeitos. Às vezes, pela meia-noite, os poemas tinham fome e comiam sopa de coentros e arroz de bacalhau. O Rui e o João também apareceram e ficaram calados que nem ratos ao pé do Ribeiro, que é um mágico que sabe fazer música com luzes, enquanto este regia a orquestra. Depois, chegou a bruxa Maluda (que por sinal é bem bonita) a cavalo numa vassoura, com um pincel e uma tesoura. E zás, pôs-nos a todos na Idade Média. Parece uma história para meninos, é certo. Mas não é verdade que, no Natal, todos gostamos de nos sentirmos um pouco mais crianças? Ou anjos com caracóis de fios de ovos, como diz a Natália...»

Os poemas que então escolhi são:

Amores eu Tenho, Cantiga de Amigo (Tenção) de Pero Meogo - Amália Rodrigues e Natália Correia
Vim Esperar o Meu Amigo, Cantiga de Amigo (Tenção) de Bernaldo de Bonaval - Ary dos Santos e Amália Rodrigues
Lá Vão as Flores, Cantiga de Amigo de Paio Gomes Charinho - Amália Rodrigues
...E Pede-me Agora o Que Não Devia, Cantiga de Amigo de João Garcia de Guilhade - Amália Rodrigues
Ah, Quisesse Deus, Cantiga de Amigo d'El Rei D. Dinis - Amália Rodrigues

As canções serão apresentadas por esta ordem.

Amores eu Tenho


Vim Esperar o Meu Amigo


Lá Vão as Flores


E Pede-me Agora o Que Não Devia


Ah, Quisesse Deus

3 comentários:

nuno vasconcelos disse...

já passaram 9 anos... lembro-me tão desse dia e dos dias seguintes... na altura eu vivia na Estrela, junto à Basílica.

Filipe disse...

Há 9 anos, eu tinha 9 anos. Lembro-me de estar pregado ao ecrã da minha televisão sem querer acreditar que Ela nos tinha deixado. Para um rapaz de 9 anos, era isso que significava: tinha-nos deixado, para sempre.

Tenho pena de nunca a ter visto ao vivo. Tenho pena que não haja pessoas imortais pois Amália seria uma delas sem dúvida.

Uma saudade imensa, Amália. Obrigado!

Bonito poste de homenagem. Muito bonito.

Saudações.

P.S.: Como se faz para pôr músicas nos post's?

Redação disse...

Maravilhoso seu trabalho!Há como tornar disponíveis as outras músicas deste maravilhoso _e raríssimo_Lp?Parabéns pelo seu trabalho!Gelson Costa -Brasil